07 julho 2013

Domingo preguiçoso: capas x gênero


Não dá para dizer tanto com 140 caracteres: "Eu desejo ter uma moeda para cada email que recebo que diz "Por favor coloque uma capa não-menininha no seu livro e então eu poderei lê-lo. - assinado, Um Rapaz.""
Um tweet da autora Amanda Hocking me chamou a atenção alguns meses atrás: ele falava sobre gênero.

Eu não devia, mas me surpreendo quando autores de livros Young Adult (principalmente se forem dos livros considerados mais “menininha” falam desse tema. Isso porque o machismo e os esteriótipos na maior parte do tempo dominam o meu gênero favorito, seja ele contemporâneo, distópico ou sobrenatural. Enfim, Amanda Hocking havia postado em seu blog sobre um maravilhoso e muito repercutido texto de outra autora, Maureen Johnson, chamado The Gender Coverup. Já imaginei milhares de maneiras com as quais eu introduziria esse texto aqui no blog, mas nesse Domingo Preguiçoso, não posso deixar de mostrar o resultado de  um desafio proposto por Maureen.

On the road - Pé na Estrada, de Jack Kerouac (fonte).
Como seriam as capas de seus livros favoritos caso eles fossem escritos por alguém do sexo oposto? Que pergunta imbecil, Isabel, você pode falar. Livros não tem gênero


Não. Por mais que muitos capistas façam trabalhos fantásticos, infelizmente, a percepção de masculino e feminino afeta bastante o seu trabalho - seja por inclinação propria, seja por pedidos dos autores e dos editores. Mas dê uma olhada nas imagens abaixo: tenho certeza de que você vai mudar de ideia. 


Stardust, de Neil Gaiman (fonte).
Laranja mecânica, de Anthony Burgess (fonte).

A guerra dos tronos, de George R.R. Martin (fonte).
Fahrenheit 451, de Ray Bradbury (fonte)

E uma das mais chocantes, na minha opinião:
Carrie, a estranha, de Stephen King.

Sério, se eu comprasse um livro do rei do terror (rainha, no presente caso) achando que era um chick-lit qualquer alguém iria ser processado. Aqui você encontra mais capas e opiniões sobre o "coverflip".


Bom domingo!

8 comentários:

  1. Falando sério - essa capa de Carrie tá tenebrosa!
    Uma coisa que nunca entendi é justo porque "é de senso comum" que o gênero masculino é detentor de toda a propriedade intelectual e para a mulher são deixados apenas os romances aguados (claro que isso tem raízes bem profundas, mas seriam horas e horas batendo na mesma tecla, literalmente) - o tipo de coisa que faria Simone de Beavouir de revirar no túmulo. Acho que aqui recairia a velha máxima de não julgar o livro pela capa, mas pelo visto nunca vai ser possível eliminar completamente a mentalidade estreita das pessoas...

    Abraço!
    Clara
    labsandtags.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato! Como autora com a, eu fico meio ofendida com essa distorção. Os livros que eu escrevo podem até ser rasos as vezes, mas isso não tem nada a ver com meu gênero.

      Excluir
  2. Vi essas capas rodando pelo tumblr, e confesso que achei a ideia genial. É engraçado (ou triste, até), ver como o gênero do autor acaba interferindo na maneira como a história por ele escrita é passada ao público. Com isso acabei me lembrando da história de que Jo Rowling usa o JK Rowling justamente para parecer um autor, não uma autora na época do lançamento do primeiro livro. Não sei se já é lenda urbana, mas dizia-se que um nome mais masculino daria maior credibilidade à história dela. Bem, isso realmente não era necessário! Haha, e a capa de Carrie tá parecendo coisa de Gossip Girl! =X

    ResponderExcluir
  3. Realmente, isso é bem interessante. Nunca havia pensado nisso. Eu amo capas 'menininha', mas pra mim, tanto faz. Ser mulher é bom porque você pode usar tanto rosa como azul, ler livros considerados tanto masculinos quanto femininos, mas não podemos falar o mesmo dos homens.
    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Também nunca tinha parado para pensar sob essa perspectiva. Acho que a capa é o que ajuda a fazer o livro, como se fosse uma vitrine, e ela é influenciada pela ideia (e gênero, porque não) do autor(a). Claro que não podemos generalizar, não é?
    Adorei o post!

    Beijos
    aritmeticadasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca tinha pensado nisso, mas algumas pessoas podem não ler um livro com vergonha da capa, é complicado isso... EU não gosto de capa com pessoas, elas dificilmente são a imagem que eu faço dos personagens, então ficam entrando em conflito, simplesmente não funciona.

    ResponderExcluir
  6. Adorei esse post, meu deus, chocadíssima com a capa de Carrie, plmdds, que horror, até por que, quem é essa garota "normal" e feliz na capa, gente?
    A capa de Stardust também ficou podre, a que eu mais gosto, acho, é essa aqui http://1.bp.blogspot.com/-5xNzfyKMGfQ/USeoNWr8reI/AAAAAAAABAo/9uMR4rv4uPc/s1600/Stardust.jpg Acho linda demais, e a diagramação desse livro é a coisa mais linda, estou querendo comprá-lo desde que vi o filme e me apaixonei pela estória.

    ResponderExcluir
  7. Essa capa de Carrie... MEDO!
    Eu já tinha visto essa coisa das capas e tinha achado interessante. Acho uma coisa pra se pensar. Como as capas podem dar impressões erradas (ou certas).

    Beijos,
    Carissa
    www.carissavieira.com

    ResponderExcluir